« All theme by Igor Neves | Don't copy »
Não sei explicar, mas dói.

E hoje me bateu aquela vontade de correr atrás e te dizer que você ainda é meu. Mas quando eu me dei conta, percebi que isso não passa de coisa da minha cabeça, calma ai, meu? Não, isso não é verdade, não é meu, não sei se algum dia foi e muito menos se ainda vai ser.
Minha vida ta confusa, mudou da noite pro dia, minha cabeça ta zonza, e meu coração? Bom, melhor nem querer -tentar- explicar.
E a nossa música? Quando a ouço, minha vontade é quebrar o som de onde ela está vindo. E o nosso lugarzinho de ficar todos os dias juntos? Quando passo por ele, tenho vontade de muda-lo todo. E as nossas brincadeiras? Quando alguém as faz, minha vontade é de mandar parar pois isso não existe mais pra mim. Posso quebrar o som, mudar nosso lugar e até mesmo ficar longe de todas as nossas brincadeiras, mas eu me pergunto, será que adianta colocar isso pra longe dos meus olhos e ouvidos se esta guardado em um lugar que não tem como tirar?
E quando vejo alguma idiota contigo? Sabe aquela vontade de sair correndo por dias e mais dias? Pois é…
…Um dia te chamei de meu, e no outro, você simplesmente vira um simples desconhecido, ou melhor, parece ser. Isso está errado, isso não pode acabar assim, não posso ver as outras pessoas contigo e não fazer nada, não posso ver você se afastando cada vez mais de mim e ficar só observando, não posso deixar você me deixar de lado por coisas que não valem a pena, não vou deixar isso acontecer, não vou!
Lembro de um dia qualquer que disse isso, e você duvidou, mas hoje, hoje eu vou viver pra te provar que: “Enquanto eu tiver forças, eu vou lutar”.

(11-12)

Tudo que faz bem pra gente, a gente tem medo.


Cazuza  (via halfdear)

Há lugares dos quais vou me lembrar por toda a minha vida, embora alguns tenham mudado; alguns para sempre, e não para melhor. Alguns já nem existem, outros permanecem. Todos esses lugares tiveram seus momentos com amores e amigos, dos quais ainda posso me lembrar. Alguns já se foram, outros ainda vivem em minha vida. Amei todos eles. Mas de todos esses amigos e amores, não há ninguém que se compare a você. E essas memórias perdem o sentido quando eu penso em amor como uma coisa nova. Embora eu saiba que eu nunca vou perder o afeto por pessoas e coisas que vieram antes, eu sei que com frequência eu vou parar e pensar nelas; em minha vida, eu amo mais a você.


The Beatles. (via tanta-dor)

As coisas que eu odiava em você: Odiava sua mania de sempre esta mexendo no celular. Odiava sua mania andar descalço. Odiava quando você provocava ciúmes em mim. Odiava quando sorria como se soubesse que eu já era todinho seu. Odiava quando seu cheiro ficava em mim e eu ia pra casa morrendo de saudade de você. Odiava seu jeito de fazer tudo sempre da certo. Odiava quando você me olhava com aqueles olhos de eu te amo. Odiava quando você agia como se gostasse de mim. E principalmente, odiava quando você ia embora da minha vida sem nem ao menos dizer tchau.


Hazel and Noah. (via returneed)

Tenho que parar de colocar virgula onde você coloca ponto final


Oeulirico    (via combarreira)

Cadê? Cadê? Cadê? E a pergunta que não se cala… Cadê?
Então tudo se passa pela minha mente, pensamentos atordoados, cabeça virada do avesso. Tudo aquilo que me fazia bem, hoje não faz mais e aquilo que não fazia hoje ta virando um simples anseio.
E minha mente não para de apertar na tecla “Cade? Cade? Cade?…”
Sabe quando todas as pessoas a sua volta parecem ser falsa? Quando nada mais do que dizem faz sentido? Quando parece que as únicas coisas te entendem é a música, caneta e papel?
E quando tu se sente sozinha no mundo? Isso é horrível…
Cadê as pessoas que me falaram que sempre estariam comigo? Cadê aquelas que eu depositava minha confiança?
Então eu me pergunto… É só eu que me sinto assim? e a única resposta que eu encontro é… “Sim, eu sou a única pessoa por que o problema sou eu”
Ultimamente tenho sentido falta de tanta coisa, de coisas que sei que não voltarão mais, de amigos que nunca mais serão os mesmos, de momentos que não terá mais nenhum igual…
Olho ao meu redor e vejo todos com tudo aquilo que eu não tenho, com amigos verdadeiros, com uma “caixinha de segredos”, com um namorado pra lhe deixar bem…
Então eu olho pra mim e só vejo uma menina idiota que vive reclamando, com vários a colocando pra baixo, sem ninguém que sabe que pode contar, a pessoa que todos vivem falando mal. Então volta a mente aquela pergunta “E o problema? O problema sou eu?”
Eu tenho muitas pessoas, mas eu não quero números, eu quero amigos, eu quero irmãos, quero pessoas pra que eu possa falar de boca cheia “Esse é meu amigo”.
Minha vontade não passa de ficar trancada dentro de um quarto sem ver e nem falar com ninguém ou talvez dormir por um tempo e quando acordar estar tudo diferente, tudo resolvido, mas isso não passa de só um sonho…
E então, aonde foi que eu errei?
A única coisa que eu tenho a certeza em falar é que a menininha ta perdendo a força, ta perdendo o ânimo, ta perdendo a vontade de correr atrás do que quer. E como isso vai se recompor? Eu não sei, eu não sei…
Mas ainda penso que um dia vou poder ter alguém pra poder dizer “E quando todos se forem, eu vou estar lá com você, amigos até depois do fim… valeu amigo!”
É pedir demais?

Mas as vezes dá uma vontade enorme de ir atrás do que se perdeu, de manter contato, grudar de novo, dizer que fez falta. Pena que só parte essa vontade de um lado, o outro faz de tudo pra que acabe.


Eu quero tudo de volta ou não sei.   (via capacitadora)

Eu não gosto das lembranças, porque com elas as lágrimas vêm facilmente, e hoje mais uma vez eu quebrei a minha promessa comigo mesmo. É uma batalha constante, uma guerra entre lembrar e esquecer.


Autor Desconhecido. (via rocklessly)